10 janeiro 2010

Assuntos do cotidiano: A incapacidade de ferir

INTRODUÇÃO AO TEMA:

Eu estava pensando nos blogs que eu mais gosto de visitar, aqueles que me fazem querer voltar todos os dias. A maioria, blogs de amigas ou de gente muito estilosa que me inspira. Meus blogs preferidos são visuais, onde o que importa são as imagens. Confesso que blogs onde os textos são maiores e mais densos não fazem parte dessa lista porque definitivamente não tenho tempo para eles, não tenho tempo para ler da maneira como gostaria, refletir. Mas alguns blogs cujos autores escrevem de forma divertida e inusitada me fazem voltar, quase sempre. Assuntos aleatórios mesmo, cotidiano, amor, dúvidas, crônicas, contos... quando bem escritos, prendem minha atenção sobremaneira.

Daí que, pensando nisso, achei que poderia ser bacana criar uma tag no blog onde as imagens sejam deixadas de lado e eu escreva sobre esses assuntos bobinhos do cotidiano, como quando a gente conversa com uma amiga que não via há meses tomando um café no Starbucks ou comendo pipoca no sofá da sala. Então, se você tiver tempo e disposição para ler algumas coisas que não vão mudar sua vida mas vão te fazer me conhecer melhor (e, quem sabe, pensar sobre a vida de maneira nada profunda), puxa a cadeira e senta que lá vem a história (eu adorava Rá-tim-bum, quem lembra?).

TEMA DO DIA: A incapacidade de ferir

No último dia de trabalho de 2009 houve um churrasco na empresa. Trabalhamos até meio dia e depois fomos para a tal confraternização. O problema é que, para mim, não havia muito o que confraternizar.

Sabe o funcionário novo? Aquele que chega encabulado, não sabe bem o que fazer nem como se portar? Período de experiência, uma mer**, já passei por isso, sei o quanto é ruim. Por esse motivo eu sempre sou a primeira pessoa a dar boas vindas, dizer que, caso ele tenha alguma dúvida, pode contar comigo. Ou aquela que solta frases do tipo "ih, eu já trabalho aqui há anos, sei como funciona, se te derem uma bronca, não liga, amanhã ficará tudo bem". Bom, essa não sou mais eu, essa era eu. Ultimamente minha paciência anda nula e eu não tenho mais feito esse tipo de coisa que era tão minha. Talvez esteja cansada das porradas que a vida nos dá. Sim, porque nós, os bonzinhos prestativos, sempre levamos porradas da vida. Mas esse não é um post sobre mim...

Enfim, a questão é que o funcionário novo chegou e eu não fui recebê-lo. Mas ele se adaptou, estava convivendo bem com a rotina e os colegas. Saia para fumar esporadicamente, almoçava em grupo, tudo bem normal. Ele tinha algo que me irritava mas eu não sabia dizer o que era. Mas era só uma irritaçãozinha boba e eu me irrito facilmente. Aí que, no último dia de trabalho do ano, minutos antes da festa de confraternização, ouço o chefe de departamento dizendo que iria demití-lo. Quem demite uma pessoa em plena festa de confraternização e véspera de Natal?? O cara é irritantezinho, mas, poxa, não dá para esperar? Blablablá vai, blablablá vem, conseguiram convecer o chefe de que aquela não era a hora nem o momento. Vai embora, esfria a cabeça, quem sabe você muda de idéia. Ufa, que alívio... mas eu fui para casa com aquela sensação estranha na cabeça.

Duas semanas se passaram, voltamos ao trabalho. Ouço o funcionário já não tão irritante (a essas alturas minha irritação tinha dado lugar à compaixão) dizendo bom dia na sala ao lado. Preciso conversar com você, retruca o chefe impaciente. Minutos depois, volta o ex funcionário cabisbaixo: tchau, gente, foi um prazer trabalhar com vocês.

Ok, eu sei que isso é a coisa mais natural do mundo. Sei também que, muito provavelmente, o chefe tinha toda razão, afinal, esse é o trabalho de um chefe, buscar os melhores resultados, ter ao seu lado a melhor equipe. Foi o que ele fez, eu sei. Mas eu seria incapaz de fazer isso. Eu sempre pensaria em uma segunda chance. Uma terceira, uma quarta... Antes, por pena, em virtude das festas de fim de ano. Depois, por mais pena ainda, imaginando que talvez o funcionário tivesse gastado todo seu 13º em peru e lentilhas e estivesse sem dinheito para pagar o IPVA de janeiro. Ou que pudesse ter filhos pequenos na escola, ou uma mãe bem velhinha, ou um parente próximo doente. E talvez justamente por isso eu nunca tenha ocupado nenhum cargo de gerência. Ainda que a Lily bobinha tenha pseudo morrido ao longo dos anos, essa Lily aqui continua sendo incapaz de causar dor. Continua sendo incapaz de dormir sabendo que um atitude sua pode ter magoado alguém. Continua sendo incapaz de dizer não, mesmo que isso seja a coisa mais certa e justa a se fazer.

E eu espero que o ex funcionário consiga um novo emprego bem rápido. E que meu chefe nunca leia esse post, senão jamais serei promovida, rs...

P.S.: Essa não é uma tag fixa. Ela aparecerá por aqui conforme minha vontade de escrever surgir, ou quando assuntos simples do cotidiano forem relevantes o bastante para serem contados. E talvez ela seja uma tag única, dependendo do retorno de vocês, queridos leitores. Não quero tornar o blog boring, mas variar faz bem. Né?

Eu dedico meu primeiro post 'escrito' à Renata ou Rebiscoito, do blog Loucuras da mente de um biscoito. O meu post, óbviamente, não chega aos pés dos dela, mas foi ela quem me inspirou a escrever. Vão lá ver, vocês vão ler do começo ao fim, mil vezes. E vão se apaixonar pela delicadeza tão espontânea dessa moça.

27 comentários:

Aline Aimée disse... - Responder comentário

É, amiga... Entendo o que quer dizer!
Eu acho que tb não tenho a menor vocação pra chefia. Quando meu chefe entrs de férias e eu fico no lugar dele fico de cabelo em pé!
Mas acho que pra funcionário público é mais fácil, sei lá!
Cuidado com esse tio de post, hein!
Soube do que houve com a Fe, do Soshopaholic?
O chefe dela leu, chamou, deu sermão e bloqueou na empresa. Nada grave, mas meio chato.

Beijo!

Aline Aimée disse... - Responder comentário

Ah, e escreva sempre sim!
;)

Fezinha disse... - Responder comentário

Que engraçado...o mundo é feito de sintonias! Ontem qd peguei o taxi para ir à praça,falei sobre isso com o taxista, e falei prá ele que não tenho nem vontade de ter cargos muito altos pq requer um sangue-frio que eu não tenho. Se fico brava com um funcionário, ligo depois prá pedir desculpa (o povo já nem liga mais qd fico brava, e isso é ruim). E eu tb sou "recebedora de funcionários novos"...hahahaha! Vc pode ter desistido momentaneamente, mas é parte de vc e vc vai voltar a fazer em breve. Eu faço sempre.

Beijo! Gostei da tag...adoro ler (e escrever....jura?!)

Jana disse... - Responder comentário

Lily, parabéns seu texto me encantou, sou um pouco preguiçosa para a leitura, hehehe!!!
Vou lá conhecer o blog dela!!!
Bjs e um ótimo dia!!!

Naiala Xavier disse... - Responder comentário

Olá querida...
entaum, eu adorei o post, tb sou bem ligada ao visual dos blogs, mas me ligo na maneira da pessoa escrever, e sobre o retorno das blogueiras a posts escritos é meio cruel, gosto muito de escrever, e fiz o blog pra poder extravasar mas, sinto que as pessoas naum gostam muito. Agora parei de me importar, tenhu usado meu blog como um diário 'cauteloso'. Naum esqueça, seu blog é dos que visito todos os dias, independente do que tem nele. Gosto de vir aki, e de ver gente normal.

Bjo!!!

Naiala Xavier

Liana disse... - Responder comentário

Lily, tudo que você se propõe a fazer fica bom, você se sai bem, menina. Eu adorei a tag e tenho certeza de que vou amar suas experiências contadas, porque você é sensível, inteligente e engraçada na medida certa. E, muito provavelmente, saberia agir da maneira certa se estivesse num cargo de chefia. Acho lindo que você mantenha essa coisa pura, tão rara hoje em dia, né? Faz meu estilo o seu jeito, muito.
Um beijo e bom domingo!

rebiscoito disse... - Responder comentário

Lily, que gostoso ler esse post e ver no final que ele foi dedicado a mim! Foi muito bom ler e conhecer um pouquinho mais sobre vc, saber como vc pensa e como se coloca a frente de uma certa situação. Lendo o que você escreveu me identifiquei muito e deu vontade de te apertar de tão fofa! hahaha vamos ser amigas? Eu também tenho muito isso de não querer que as pessoas novas se sintam mal, sempre tenho acolhe-las da melhor maneira e faze-las se sentirem bem no ambiente. ODEIO quando as pessoas meio que tentam zoar, tirar uma com a cara do outro, fico com mta dorzinha no coração. Pq não ser legal tratando a pessoa mó bem inves de ser legal zuando ela? Bom...Enfim...Amanhã começarei num emprego novo. Sim, essa merda de adaptação, chegar num ambiente totalmente desconhecido, não estar a vontade e sentir vergonha..Será a minha vez! Deseje-me sorte!

Quanto a ser chefe e demitir pessoas, já pensei nisso. Deve ser mega difícil, principalmente se a pessoa agir de maneiras inesperadas tipo chorar e te pedir para não demiti-la ou sei lá, imagina? Mas acho que é questão de costume. A gente vai aprendendo com os erros. Vejo muito pelo meu pai, que é bem legal com os funcionarios e já aconteceu de ex funcionarios colocarem ele na justiça por algo que ele nem fez. Então, a gente passa a ver que nós temos um corção muito bom mesmo mas que nem sempre devemos deixar ele fazer as escolhas. É a vida né?

Bom, adorei a nova tag e com certeza vou ler quando você escrever de novo. E fica aí um convite para começarmos uma amizade fora do computador <3

Michelle Senna disse... - Responder comentário

Amei o post Lily, pode manter que vamos amar, e de uma certa forma a escrita nos aproxima, a imagem é bacana,inspiradora,fácil de decifrar, ou vc gosta ou não, os textos nos fazem refletir o que é muito bom.
Achei super sincero seu depoimento e realmente essas situações são muito complicadas, eu já tive que demitir algumas pessoas, e não foi nada interessante, fiquei dias e dias pensando na melhor forma de suavisar minhas palavras mas na hora eu sempre sou rapida e objetiva.Tipo pá pum,olho no olho.É ruim, mas ficar adiando as vezes é pior ainda.
Lily adorooo tudo que vc coloca aqui na sua "casa" acho que por isso que ela está sempre florida, vc é uma linda (por dentro e por fora).
Um beijão,Mi.

Eneida disse... - Responder comentário

Eu gosto dessa fala toda!
Abro o verbo lá no blog porque preciso fazer isso todo dia.
Aí coloco minha fotinho, pra ver a expressão encarnada do meu humor no dia! hahaha
Isso faz bem.
Quanto à sua fala, que é o que interessa aqui, eu também já fui dos dois jeitos.
Mas acho que estou mais pra dureza que pra doçura.
Problema de levar lenhadas como você disse.
O ruim é a gente endurecer o coração.
Gostei muito do post!
Beijo!

Dany Braga disse... - Responder comentário

é querida Lily...é bem difícil estar na posição de demitido, mas muitas vezes é mais difícil estar no lugar de quem demite. Já tive que passar por isso . Nunca é bom, mas muitas vezes é necessário, faz parte do trabalho....uma demissão injusta é uma coisa, mas uma demissão necessária muitas vezes é inevitável. Não pela pessoa ser incompetente, mas por ela não se adequar àquela trabalho, ou àquela equipe, ou àquela cultura empresarial...faz parte! Terei que fazer isso mais uma vez até o meio desse ano. vai ser difícil...mas para o trabalho fluir direito, a equipe tem que estar 100% legal...é uma cadeia,sabe? A pessoa tem que atender às suas expectativas poqrue tem gente acima de vc te cobrando e por aí vai....é a vida......beijos! Adorei esse cantinho para conversas, papos, discussão.....

Cláudia Paulino disse... - Responder comentário

Castelo Rá-tim-bum não é da minha época, mas assistia com a minha sobrinha e hoje em dia assisto com o Henrique e adoooro !!!
Adooorei o seu texto, lindinha !!!
Vc escreve muuuito bem e tem um coração enoooorme !!!
Também sou assim, não gosto de magoar as pessoas, mas por essas e outras acabo sempre sendo eu "a magoada". Esses dias ando tristinha por isso, por sentir que certas pessoas que amo e admiro tanto, não me dão nenhum valor.
Mas isso é outra história, deixa prá lá...
Adooorei !!! Parabéns !!!
Além de linda e fashion, vc é inteligente, sensível e tem uma coração de ouro !!!
Beijooooocas

Juliane disse... - Responder comentário

Oi Lily,

Acho legal de vez em quando ler posts mais profundos em blogs bacanas como o seu, que geralmente são feitos de imagens... aliás, até sinto falta dessa proximidade que posts assim fazem agente ter. Ultimamente a maior parte dos blogs é só imagem e pouco "conteúdo" de verdade... adorei o texto!

Eu virei sócia de uma empresa a dois anos e senti na pele como é duro ter que demitir alguém, e pior, alguém que eu gostava muito, mas a empresa não podia mais manter a pessoa por motivos financeiros... vi que também tenho bastante dificuldade de separar o pessoal do profissional, se é que dá pra fazer isso né? hehe

Beijos

Mirian disse... - Responder comentário

Odiaria ser chefe. Não dá pra mim. Pelo tempo que tenho de vida profissional todo chefe direto que tive por mais que fosse bem intencionado sempre foi mal interpretado. É complicado pq não dá pra agradar gregos e troianos. E o que eu menos quero nesse mundo é complicação.
Eu também sou daquelas que fazem o possível de fazer o novato se sentir bem. Sei lá, trato as pessoas da mesma forma que gostaria de ser tratada.
Gostei do seu texto. Escreva mais.
Bjokas

Renata disse... - Responder comentário

Adorei seu texto! E sua auto-análise é bem apropriada. Afinal, estar no comando é passar para os outros segurança e não dá pra confiar em alguém que não está firme em suas decisões, né?
Líder é amado e odiado e muitas vezes toma decisões que não dependem exclusivamente da vontade dele.
Eu sou muito compreensiva mas detesto preguiça e falta de comprometimento. Fico brava mesmo! Mas quando vejo que alguém se esforça mas não consegue, aí é bem difícil mesmo...
Escreva mais e sempre!!
Beijinhos mil!

Deveria estar estudando disse... - Responder comentário

Lily, ser chefe é uma merda. Já fui chefe de pessoas muito mais velhas que eu...e principalmente os homens não gostam muito de mulheres no comando. Odeio lidar com gente. Ainda bem, hoje em dia tenho uma chefia com mais processos e menos gente.
bjks!!!

http://oestiloparaense.blogspot.com disse... - Responder comentário

Nossa, lendo isso que vc escreveu me vi aqui!
também sou do tipo boazinha, que se mal as vezes, mas anoite consigo dormir tranquila! rsrsrs
Amei o seu jeito de escrever, já vim aqui visitar algumas vezes, mas todas vez é uma boa surpresa e uma sensação de que ainda vale muito a pena perder (ou ganhar) um tempo na internet!
viva as blogueiras!
eu tb tenho o meu, é: http://oestiloparaense.blogspot.com

bjus :)

perseverar-tentandoentenderavida disse... - Responder comentário

Ola lily,
acabei de ler seu texto e ele me fez pensar bastante...foi muito bom vc ter escrito, me incentivou e me motivou tanto que acabei de criar um blog para tentar lidar melhor com as dificuldades que passamos. Adoraria que vc desse uma passadinha por la... bjus!!

klaudinha ribeiro disse... - Responder comentário

sabe akela prima q mostra as roupas novas.. e vc adora ver as coisas da sacola antes mesmo dela xegar em casa.. ?? eh assim q vc se parece pra mim.. rsrs adorei te ler.. rsrs ops ler seu post.. faça mais vezes sim viu.. prima postiça rsrs bjoca..

Vívis disse... - Responder comentário

Sinta-se a vontade para escrever quando quiser...rs.
Adorei seu texto, você escreve muito bem. Também tenho uma dificuldade imensa de dizer não.
Continue escrevendo! É muito legal poder te conhecer melhor através dos textos.

Bjo, Lily.

Geovana Gambalonga disse... - Responder comentário

Sabe o que me agrada muito nos blogs de moda, além das dicas infaliveis hehe, são os comentários pessoais e bom humor das blogeiras. Com esse tipo de post as leitoras conhecem melhor quem escreve, tornando a relação mais fiel, e eu adoro isso, porque so imagens deixam uma sensação de 'esta faltando algo', e eu gosto de conhece melhor as pessoas que eu visito todos os dias. Totalmente aprovado, espero outros. Mtos beijos p vc Lily

Anônimo disse... - Responder comentário

Lily adorei.... seu blog esta em meus favoritos e sim é um destes que eu tenho vontade de ler todos os dias.ADORO quando as pessoas falam sobre suas vidas isto faz com que nós leitoras(se vcs me permitem inclui-las no meu comentario) nos sintamos mais proximas de vcs.

Anônimo disse... - Responder comentário

Lily adorei.... seu blog esta em meus favoritos e sim é um destes que eu tenho vontade de ler todos os dias.ADORO quando as pessoas falam sobre suas vidas isto faz com que nós leitoras(se vcs me permitem inclui-las no meu comentario) nos sintamos mais proximas de vcs.

Daniele disse... - Responder comentário

Olá, Lily! Esta, deve ser a segunda vez que posto um comentário aqui, apesar de visitar seu blog todos os dias.
Adoro! Acho uma delícia seu cantinho.
Leio tudo e aprovo seu novo tag. Assim, nós, que estamos de longe e não a conhecemos pessoalmente, temos a oportunidade de conhecer muito além da sua linda imagem posta todos os dias aqui com tanto carinho.
Pra mim, você passa a ter sentimentos (agora conhecidos), personalidade, defeitos...e começo a me identificar ainda mais com seu jeitinho de ser.
Sou assim como você e sofro muito porque as pessoas estão cada vez mais, sem educação, sem noção, sem coração, sem compaixão, individualistas...uma decepção só!
Às vezes penso que o melhor é mudar meu jeito, mas meu marido diz que eu sou assim e não vou mudar o mundo e também não posso deixar que ele (o mundo) me mude.
É isso! Beijinhos

anapaulalou disse... - Responder comentário

Eu amei esse post, até porque ainda sou muita ingênua em meus ambientes de trabalho e sempre levo na cabeça, mas, fazer o quê...
Acho que assim como a Eneida e vc disseram a gente acaba endurencendo o coração e aprendendo que não dá para abri-lo para todo mundo... mas, o mais importante , o mais importante mesmo é que quando vc percebeu a situação em que ele estava em nenhum momento desejou o mal para ele e sim o bem...essa é a diferença...teve a capacidade de se colocar no lugar do outro e até parar para pensar em como ele estava se sentindo...isso é muito lindo, muito lindo mesmo.
O importante é vibrarmos por ele, torcer para que esta prova seja apenas uma motivação para o próprio crescimento dele... e graças a Deus, se ele for CLT vai receber todos os seus direitos e conseguir se ajustar, não é mesmo?
Vamos vibrando por ele e por vc, para que vc continue sendo essa pessoa linda, de bom coração.
Amei o texto, essa nova tag e espero ler mais posts seus.
Te adoro muito amiga!
Beijos aos montes,
Lou

Madame Maura disse... - Responder comentário

Lily, cheguei aqui de bobeira, sabe qd a gente clica em um blog que dá no outro e depois no outro e se perde? Então, eu tenho essa mania, e o pior, eu leio tudo que chega às minhas mãos e me apego a desconhecidos bonzinhos que escrevem bem.
Aconteceu de novo :)
Mas acho que todos nós causamos dor, a escolha é sempre ponderada entre causar dor no outro ou em si mesmo, nas situações de conflito. "Si mesmo" também é alguém que merece carinho e prestatividade, né? Pois é, eu falo isso para o espelho todos os dias ;-)
Beijos, vou voltar.

disse... - Responder comentário

voltando a net e já amei essa novidade, escreve mais vezes sim!!!!

bjoka

Natie disse... - Responder comentário

No seu texto achei um pouco de mim. Sim, os bonzinhos levam muita porrada, puxada de tapete nessa vida. Estou passando por isso na empresa pela enésima vez. Mas, no fundo, a gente sempre perdoa e segue em frente. Uma coisa eu tenho certeza na vida, eu prefiro levar porrada por ser boa, mas ser autêntica, ser quem eu sou. Passo pela vida sorrindo e cantado mesmo depois de receber várias pedradas e não guardo nenhum rancor.
Olha, eu leio seu blog há muito tempo mas acho que é a primeira vez que eu comento aqui. SHAME ON ME!

Postar um comentário

Meu jardim está florido.
E o seu?

Posts Relacionados