23 abril 2011

Ouvir estrelas?


"Ora (direis) ouvir estrelas!
Certo perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto...

E conversamos toda a noite, enquanto
A via-láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: "Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo?"

E eu vos direi: "Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas".

Esse é meu poema predileto, diria que trata-se do meu poema de cabeceira - não que seja necessário lê-lo, já o tenho decorado há tempos. Só quem ama pode ter ouvido capaz de ouvir e de entender estrelas. E essa frase me parece sempre tão única, completa, perfeita. Já a li e ouvi algumas centenas de vezes, mas ela ainda me emociona como na primeira.

*O poema é de Olavo Bilac e se chama Via Láctea.

15 comentários:

Amanda disse... - Responder comentário

Meu Deus! é dificil de achar aguém que goste de Bilac! Esse também é o meu poema favorito,o meu escolhido, simplesmente lindo.Acho que é o parnasiano mais lindo de todos.
Já gostava de visitar o seu blog, mas depois dessa virei fã.
bjo!
ps.: é mto bom ver que outras pessoas enxergam a beleza onde tb a vemos.

Camilla disse... - Responder comentário

Eu adoro esse poema, Lily!
Há tempos não o via pela net... muito legal lê-lo novamente!

Um beijo e ótima Páscoa!

disse... - Responder comentário

Lindo poema, Lindo mesmo, até copiei aqui pra eu ler sempre^^

Blog da Helô disse... - Responder comentário

Os poemas do Bilac são lindos, mas só quem conhece a história dele sabe o quão pedante ele era. isso me faz não apreciá-lo..

bloggdahelo/blogspot.com

beijim

Nay B. disse... - Responder comentário

A, lindo lindo Lily, poemas são tão bons de serem lidos, ainda mais sentidos. ;)

Lily Zemuner disse... - Responder comentário

Ahhh, Helô, mas a gente pode só apreciar o que ele fez e esquecer quem ele foi. Porque, se for assim, teremos que deixar de gostar de músicos que apreciamos, de roupas que vestimos, de lugares para onde vamos, porque por trás delas sempre haverá um cantor mau caráter, um estilista pedante ou um arquiteto arrogante. A gente aprecia a obra e não o autor.

Beijos e obrigada pelo comentário.

Elô disse... - Responder comentário

hmmm, preferido também do cidadão Kane... rs

LaReK disse... - Responder comentário

Lindo este poema! Não conhecia.

Beijocas e boa páscoa!

aline oliveira disse... - Responder comentário

quanto tempo faz que não leio esse poema, como é bom poder relembra-lo. Também gosto muito desse poema do Olavo Bilac e por muito tempo "só quem ama é capaz de ouvir e de entender estrelas" foi minha citação favorita.
Beijo, Lily ;*

Dri disse... - Responder comentário

Eu gosto muito de Olavo Bilac e meu poema favorito é "Remorso", o trecho que gosto é:

"Ah! Mais cem vidas com que ardor quisera

Mais viver, mais penar e amar cantando!"

Gosto do poema inteiro, mas essa parte é mais legal.

Bom final de semana Lily!

Aline Silva disse... - Responder comentário

Obrigada por me apresentar este poema tão lindo...não o conhecia.
Por estas e muitas outras é que me tornei fã do seu blog...
Bjim o.O
Boa Páscoa!!!

Érica disse... - Responder comentário

Tb gosto mto desse poema, mas confesso que só fui conhecê-lo bem grandinha numa música do Kid Abelha.

Alessandra disse... - Responder comentário

Lily, ainda meninota eu achei um caderno lindo de recordações da minha mãe, de quando ela terminou o que hoje chamamos de ensino fundamental e que na época a estudante saía formada "auxiliar de escritório". Nele, lindos poemas, palavras, letras desenhadas. Adorava pegá-lo para ler. Foi nele que li o poema que até hoje é meu preferido. Minha mãe o acha um tanto melancólico. Acho até que ela tem razão, mas prefiro vê-lo como um conselho para a vida. Não sei se conhece, mas vou compartilhá-lo com vc. É do Vicente de Carvalho:

_____________________________

VELHO TEMA





Só a leve esperança em toda a vida

Disfarça a pena de viver, mais nada;

Nem é mais a existência, resumida,

Que uma grande esperança malograda.



O eterno sonho da alma desterrada,

Sonho que a traz ansiosa e embevecida,

É uma hora feliz, sempre adiada

E que não chega nunca em toda a vida.



Essa felicidade que supomos,

Árvore milagrosa que sonhamos

Toda arreada de dourados pomos,



Existe, sim: mas nós não a alcançamos

Porque está sempre apenas onde a pomos

E nunca a pomos onde nós estamos.
_____________________________
Bj com carinho.

Renata Carvalho disse... - Responder comentário

Não sei dizer se esse é o meu poema preferido, pois em primeiro lugar posso classificar uns dez que amo muito, sem saber definir de qual mais gosto... mas sem dúvidas, esse sempre está entre os mais-mais!!!

Beijos

Miilena Cazumbá disse... - Responder comentário

Ele é lindo mesmo... eu fiz teatro e já declamei ele com uma amiga... foi o maior prazer...na verdade é sempre um prazer declamar bons poemas como este!
Bjooos Flor

Postar um comentário

Meu jardim está florido.
E o seu?

Posts Relacionados